como-saber-se-precisa-usar-aparelho-auditivo2É normal, com a idade, que haja uma deterioração progressiva de nossas funções auditivas, algumas pessoas começam mais cedo, outras um pouco mais tarde, mas todas estão sujeitas a esse processo.

A recomendação médica é que, logo ao descobrir a perda auditiva, a pessoa dê início ao uso das próteses auditivas. É comum o paciente dizer “ah doutor, mas ainda é pouco, ainda está de um jeito que eu consigo levar”, e esse é o problema!

Existe uma situação chamada privação auditiva. O ouvido que já não ouve tão bem deixa de enviar informações para as vias auditivas centrais (sistema nervoso), com isso o problema deixa de ser apenas “não ouvir”, e a pessoa passa a ter dificuldades de compreensão das palavras. Quando se resolve fazer a protetização após um longo período de perda, provavelmente o benefício não será tão grande, pois sua capacidade de entendimento já foi prejudicada. Devido a isso é interessante que se inicie o processo de protetização o quanto antes, pois o resultado será bem melhor, proporcionando uma boa qualidade de vida ao paciente.

Outro fator a ser considerado é que a perda auditiva causa uma série de consequências, inclusive sociais. A pessoa que não ouve, por saber que não vai conseguir conversar adequadamente, começa a se afastar dos outros e deixa de socializar-se . Com o tempo, isso pode levar a um quadro de isolamento, depressão, e assim por diante. Já existe um estudo que mostra que colocando um aparelho auditivo quando surgem as primeiras dificuldades em ouvir e entender pode-se impedir o aparecimento de doenças como o Alzheimer.

Uma última orientação: o ideal é protetizar os dois ouvidos. A protetização unilateral pode fazer com que o ouvido não protetizado sofra o processo de privação auditiva. Além disso, melhora a localização da fonte sonora e o entendimento da fala em ambiente ruidoso, dentre outros.

A importância do aparelho auditivo