9317b4_84e84c4a493c45f797b6a3850e7ab86c“Doutor, minha sinusite está atacada!”

Frequentemente os otorrinos de deparam com esse tipo de queixa quando o paciente entra em seu consultório e, na grande maioria das vezes, há uma confusão entre duas doenças com mecanismos e tratamentos diferentes.

Normalmente, o paciente está se queixando de uma crise de rinite alérgica! O que quer dizer isso? É um processo que não depende da presença de vírus ou bactérias, está relacionado a mudanças climáticas, contato com substâncias agressoras como pó, poluição, pelos de animais, cheiros de produtos químicos (perfumes, produtos de limpeza…). Os sintomas predominantes são obstrução nasal, coriza clara, coceira, espirros. O paciente pode apresentar dor de cabeça, tosse seca ou com pouca secreção, pigarro. Neste caso, o tratamento visa o controle da alergia.

Existem os casos de “Rinossinusite Bacteriana” onde, como o próprio nome diz, há a presença de uma bactéria. Inicia-se com uma gripe ou rinite alérgica que não evolui bem e, depois de alguns dias, os sintomas pioram. Neste caso, a diferença básica é o tipo de secreção, que deixa de ser clara e passa a ser de uma coloração amarelada ou esverdeada e mais espessa. Neste caso sim são necessários os antibióticos em quase todas as vezes.

Muitos pacientes também acham esquisito quando o médico não pede para fazer uma radiografia. Na verdade, com um bom exame físico, o otorrinolaringologista pode verificar se o paciente está com uma sinusite ou não, a radiografia deixou de ser necessária em boa parte dos casos. Quando há a necessidade de algum exame, o ideal é uma tomografia computadorizada, que é mais detalhada e é útil para o médico investigar até possíveis complicações.
O importante, no final das contas, é deixar nomenclaturas de lado e procurar seu médico para saber se o problema é alérgico ou infeccioso; não vá achando que só o antibiótico resolverá, pois ele será dispensável em boa parte dos casos!

Rinite e Sinusite